Mulher é torturada, decapitada e enterrada em campo de futebol em Manaus

Inicio Polícia

Mulher é torturada, decapitada e enterrada em campo de futebol em Manaus

Farliane Nunes tinha 25 anos e estava desaparecida desde o dia 23 de junho desde ano

Hospital Universitário da UFAM oferece 18 vagas para residência multi e uniprofissional em saúde, em Manaus
Governo do Amazonas anuncia mudanças no atendimento ao público e em expediente de servidores estaduais
Rocam prende três homens por roubo no Alvorada

Manaus – O corpo da jovem Farliane Nunes Pinto, de 25 anos, foi encontrado na manhã de hoje (16), em uma cova rasa, decapitada e com sinais de tortura, no Campo do bairro João Paulo, Zona Leste. A vítima estava desaparecida desde o dia 23 de junho desde ano e familiares estavam a procura de informações que levassem ao paradeiro dela.

De acordo com o delegado Paulo Martins da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), a jovem morava no bairro Cidade Nova e teria envolvimento com o tráfico, por isso foi torturada e assassinada por uma facção rival. “Essa jovem tinha envolvimento com o tráfico e com o homicídio de um membro de uma facção criminosa antes deles tomarem aqui o território. Em um revide, eles acabaram a sequestrando e matando a facadas. A faca do crime foi encontrada enterrada com ela na cova”.

Um adolescente de 16 que foi apreendido teria apontado a localização da cova para a polícia.

O líder de uma facção criminosa identificado como Gilvan Oliveira dos Reis, conhecido no mundo do crime como  “Vela” também estaria envolvido no crime. A polícia já esta a procura dele há mais de um mês. Se você tem informações que levem ao localização dele, pode denunciar por meio do telefone 181. A sua identidade será protegida.

Divulgação/PC-AM

Nas redes sociais, a mãe da jovem que buscava incansavelmente a filha, já persentia que a jovem estava morta.

“Você foi pra onde sua doida, só estou atrás de você, não quero saber o que aconteceu só quero te encontrar, pôs não aguento mais essa angústia. E deixo bem claro na minha opinião você tá morta, mais se alguém lhe matou eu não quero saber do assassino, minha filha é você e não ele. Em caso de assassinato sobre você eu deixo bem claro eu não quero justiça, eu só quero encontra você”, publicou dona Raimunda Oliveira.

Foto: Divulgação

 

Com Informações do Repórter Manaós 

COMENTÁRIOS

WORDPRESS: 0