Inicio Amazonas

Doutora em educação aborda o papel do professor em conflitos na sala de aula

Estar atento à interação entre os alunos, mudança de comportamento e rendimento escolar estão entre as principais dicas da doutora em educação, Maria

Professores da rede estadual de ensino do Amazonas entram em greve
Cetam inicia ano letivo de 2019
Mediotec forma alunos do Ensino Médio em curso técnico de Segurança de Trabalho

Estar atento à interação entre os alunos, mudança de comportamento e rendimento escolar estão entre as principais dicas da doutora em educação, Maria do Socorro Gomes, para os educadores e pais identificarem que algo não vai bem com a criança e o adolescente.

“Muitos pais não acompanham a rotina escolar dos filhos, não sentam com eles para ajudar no dever de casa, não sabem como foi o dia do filho e é essa falta de socialização que causa a maior parte dos conflitos na sala de aula”, explica a especialista, que ministrou recentemente a Oficina de Gestão de Conflitos, promovida pelo Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino Privado do Estado do Amazonas (Sinepe-AM).

O resultado disso pode levar a comportamentos agressivos, intolerantes, apáticos e de baixa autoestima, que geram conflitos no ambiente escolar e pedem a mediação de professores, orientadores e coordenadores, que precisam resolver brigas entre colegas, casos de bullying e desacertos por meio de ações que ajudam a trabalhar as habilidades socioemocionais dos alunos.

Mas para isso, Maria do Socorro explica que é necessário que o educador também desenvolva inteligência emocional, para que consiga agir com calma, estimular o diálogo e incentivar a empatia.

“Para exercitar a empatia entre os alunos, o professor deve sugerir que um se coloque no lugar do outro por alguns instantes. Ajudar a perceberem como se sentem, trocando de posição. Isso faz com que eles analisem a questão por outro ponto de vista”, indica Maria do Socorro.

Para ela, a construção da relação de confiança entre professor e aluno contribui para que a vítima tenha alguém a quem recorrer.

“Na maioria das vezes, o estudante está passando em um momento delicado com a família ou algum problema pessoal grave. Somente o diálogo pode mostrar as melhores ações a serem tomadas, porque ele permite entender o que acontece de forma ampla e humanitária”, concluiu a especialista.

COMENTÁRIOS

WORDPRESS: 0