Dermilson Chagas assina CPI da Asfixia e pede mais apoio para pescadores e agricultores do Amazonas

Inicio AmazonasPolítica

Dermilson Chagas assina CPI da Asfixia e pede mais apoio para pescadores e agricultores do Amazonas

Agora, a nova CPI investigará também todos os contratos e despesas do Governo do Amazonas de março de 2020 até os dias atuais

Dermilson Chagas destaca que prisões de secretários estaduais em operações da PF são motivos suficientes para aprovar CPI da Asfixia e afastamento do governador
Dermilson Chagas diz que sua luta contra a corrupção no Governo do Amazonas continua sem interrupção, independentemente de partido
Dermilson Chagas e Wilker Barreto assinam requerimento para incluir em nova CPI a investigação de contratos e despesas do Governo do Amazonas

 

O deputado Dermilson Chagas (Podemos) assinou, na manhã desta quarta-feira (7/7), o requerimento que propõe a abertura da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Asfixia, após a inclusão da ampliação do escopo da CPI, que, agora, passará a investigar também todos os contratos e despesas efetuados pelo Executivo estadual no período da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), que abrange desde março de 2020 até à data de encerramento da nova CPI.

A CPI da Asfixia foi proposta ontem (6/7), pelo deputado Delegado Péricles (PSL), às vésperas da aprovação da CPI da Pandemia, de autoria de Dermilson Chagas, Wilker Barreto e do próprio Delegado Péricles (PSL), que estava no aguardo de apenas mais uma assinatura para a instalação da CPI que iria investigar a responsabilidade do Governo do Amazonas nas mortes ocorridas na segunda onda da pandemia e também das diversas irregularidades em contratos com empresas e dispensas de licitações, além da utilização dos recursos do Governo Federal disponibilizado ao Amazonas para ações de combate à proliferação do coronavírus.

Apesar da proposta da nova CPI ter surgido quatro meses depois da CPI da Pandemia e de trazer como fator determinado apenas um item, a crise de oxigênio, o deputado Dermilson Chagas ressaltou que o mais importante é que o trabalho de investigação seja bem feito, pois a primeira Comissão criada pela Casa para investigar a Saúde resultou nas várias fases da Operação Sangria da Polícia Federal e na denúncia formulada pelo Ministério Público Federal (MPF) junto ao STJ responsabilizando o governador Wilson Lima por vários crimes, com base nas investigações realizadas pela Polícia Federal.

“Ontem foi criada toda uma celeuma em relação à assinatura que poderia ir para a CPI da Pandemia, que é mais abrangente e completa. Mas, as argumentações começaram cedo. O primeiro inscrito no primeiro horário, o pequeno expediente, era o deputado Serafim Corrêa (PSB) e eu estranhei quando o deputado Péricles correu para a tribuna para poder falar, sendo que, no dia anterior, eu já tinha visto várias movimentações nos bastidores. Mas, aqui, o que conta não é a vaidade. Nós queremos é o trabalho de investigação sério e contundente”, comentou Dermilson Chagas.

Acompanhamento no MPE-AM

O parlamentar destacou que o resultado da CPI da Asfixia precisa ser acompanhado e cobrado pelos deputados estaduais no Ministério Público do Amazonas (MPE-AM), diferente do que aconteceu com a CPI da Saúde, que, até o momento, está sem informações sobre as conclusões ou medidas tomadas pelo órgão. Dermilson Chagas ressaltou que o relatório final da CPI da Saúde foi tão importante que serviu para embasar a Polícia Federal nas investigações.

< br > < br >

“Eu espero que agora seja feita uma CPI contundente, que possa indiciar o governador e os demais responsáveis por todas essas irregularidades que eu já denunciei da tribuna da Aleam. Se acabar a CPI e não tiver acompanhamento e não cobrar o Ministério Público do Estado, se torna impossível de se fazer justiça e o trabalho terá sido em vão. O relatório da CPI da Saúde foi utilizado na Polícia Federal para saber o que tinha sido apurado de irregularidades, e eles conseguiram a materialidade através de operações de busca e apreensão”, comentou Dermilson Chagas.

Em defesa dos pescadores e agricultores

O deputado Dermilson Chagas utilizou a tribuna da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) nesta quarta-feira (7/7) para, mais uma vez, fazer denúncia sobre a fraude que os pescadores do Amazonas estão sendo vítimas. Ele explicou que há pessoas que estão fazendo o saque não autorizado do seguro-defeso da conta dos pescadores.

“Os pescadores que têm direito ao seguro-defeso recebem uma correspondência informando a data do pagamento. Quando ele se dirige à uma agência da Caixa Econômica Federal para realizar o saque, ele percebe, através do extrato, que o dinheiro já foi sacado em outro estado. Isso é obra de estelionatários, que estão recebendo esse benefício. São muitos pescadores no Amazonas que estão sendo vítimas dessa fraude e é preciso que a Caixa tome providência junto à Polícia Federal para que seja feita investigação”, informou Dermilson Chagas.

 

Durante a sessão de votação no plenário Ruy Araújo, o parlamentar também saiu em defesa dos pequenos agricultores, quando se manifestou a favor da aprovação do Projeto de Lei nº 207/2021, de autoria do deputado Tony Medeiros, que institui prazos para concessão ou renovação de licenciamento ambiental. Dermilson Chagas disse que a lei é importante e que ajudará muito os agricultores, porém destacou que as exigências das instituições bancárias precisam ser alteradas para atenderem os agricultores do Amazonas.

“O processo do setor primário tem várias fases. O primeiro é a posse ou a titularidade do terreno. Em seguida, é o licenciamento ambiental, que determina o quanto de área o agricultor pode desmatar. Então, ele vai ao Ipaam (Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas) para ter autorização. Depois disso, ele precisa do financiamento, que é feito pelo Basa e Afeam (Agência de Fomento do Estado do Amazonas), só que essas instituições seguem as normas do Banco Central e, por isso, não podem deixar de seguir as metodologias impostas a eles. Então, para ter esse alcance no setor primário, essa lei desburocratiza e ajuda, mas nós precisamos alcançar os bancos, porque é lá que está o dinheiro para o agricultor pegar para poder empregar na terra dele e ter o seu ganha-pão. Se não tirar essa burocracia dos bancos, muita coisa ainda vai ficar pelo caminho”, comentou Dermilson Chagas.

 

FOTO E IMAGENS: MÁRCIO GLEYSON / EDIÇÃO DE ÁUDIO E IMAGENS: LEONARDO MANCINI

COMENTÁRIOS

WORDPRESS: 0