Igreja Adventista manterá as portas fechadas para cultos e reuniões públicas no AM

O presidente da Igreja Adventista para a Região Noroeste do Brasil, pastor Sérgio Alan Alves Caxeta, afirmou, nesta quinta-feira (7), que os templos da igreja no Amazonas vão manter as regras de distanciamento social e não vão abrir as portas para cultos e reuniões públicas. A decisão foi divulgada depois de os deputados da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam) terem aprovado projeto de lei que autoriza a reabertura de igrejas e templos religiosos, em pleno pico da pandemia no Estado.

De acordo com o pastor, além do Amazonas, a decisão de seguir com o isolamento social vale para todos os templos adventistas dos demais estados que compõem a Região Noroeste: Acre, Rondônia e Roraima. Somente no Amazonas, a igreja congrega, aproximadamente, 115 mil membros, que se reúnem em mais de 1,2 mil templos.

“A decisão é da sede da igreja para os estados mencionados acima. Todos os templos permanecerão fechados para cultos e reuniões públicas. Alguns templos estão abertos apenas para recebimento de doações para serem levadas a famílias carentes”, disse o pastor Sérgio

Para o presidente da Região Noroeste da Igreja Adventista, o isolamento social é uma medida necessária diante de um vírus que é altamente contagioso e muito agressivo. “Diante desse fato, apoiamos o isolamento social e a abertura apenas dos locais que são considerados essenciais, como supermercados e farmácias”, avaliou.

O pastor Sérgio disse ainda que, num momento de crise histórica como a que está se vivendo, a igreja está prestando atendimento psicólogo por meio do projeto “Ouvido Amigo”. Pelo programa, que usa canais virtuais, psicólogos e terapeutas familiares dão apoio emocional àqueles que precisam, gratuitamente. “Além disso, já arrecadamos com os membros da igreja mais de 200 toneladas de alimento que estão sendo distribuídas para famílias carentes”, informou.

Assim como a Igreja Adventista, a Arquidiocese de Manaus já tinha anunciado, nesta quinta-feira (7), que também manterá as regras de isolamento social. O arcebispo metropolitano, Dom Leonardo Ulrich Steiner, disse, em entrevista à Rádio Rio Mar, que a Igreja seguirá sem encontros presenciais, pelo menos até o dia 23.

“Nós continuaremos, até quando achar necessário, cumprir o distanciamento social”, disse o arcebispo, que aos fiéis que mantenham suas orações pelas famílias do Amazonas que perderam parentes para a Covid-19 desde o início da pandemia. “Enquanto nós não pudermos nos reunir com segurança, é preciso manter o isolamento social”, disse.

Comentários
  • Deus em primeiro lugar

    8 de maio de 2020

Deixe um Comentário